história

Pedacinhos do Natal

por em decoração
Aqui em casa sempre gostamos muito do Natal. As lembranças que guardo dessa época do ano são das melhores da minha vida e não tem pessoa que se destaque mais nelas do que a minha mãe, que sempre foi muito empolgada com os todo tipo de preparativo para festas de fim de ano. Eu, por predestinação, sempre a acompanhei para cima e para baixo nas aventuras natalinas, fosse nas tardes de compras sufocantes no Centro de Belo Horizonte ou mesmo nas calmas manhãs de bordado no sofá lá de casa. Quando o Natal se aproximava, começava a produção de toalhinhas, quadros, guirlandas e até cartões de Natal bordados em ponto cruz. Essa coisa de DIY que hoje em dia é moda, já estava presente na minha vida desde muito cedo mas, com um nome diferente: naquela época, isso se chamava carinho :)
Enfeites do Natal desse ano, cada um com uma história diferente
Quando falei em predestinação logo ali em cima, me referi ao fato de que lá em casa a responsabilidade pelos preparativos de Natal parece passar de geração para geração e de uns 11 anos para cá (coincidentemente, a mesma época em que me tornei mãe) essas responsabilidades têm sido minhas. Então, todo ano era aquela coisa de correr com os preparativos, coisas de última hora e uma certa loucura. Era filha pequena, estudos, gandaias e minha desorganização, que preenchiam minha vida até quase que meados de dezembro.
Filha ajudante até na hora da foto com a guirlanda de arvorezinhas feita a mão (inspirada nessa aqui)
Mas… nos últimos (acho que posso dizer três) anos essas coisas têm sido bem diferentes. Acho que me tornei uma pessoa mais  tranquila, com mais ideias pipocantes na cabeça, mais organização e tenho uma filha que inclusive me ajuda (quem sabe ela não é a próxima predestinada?). Além disso tudo, a disposição para ficar em casa gastando horas e horas em trabalhos manuais é algo que predomina.
Esse ano, a empolgação de arrumar o cantinho foi a primeira coisa que me motivou a começar os preparativos em meados de novembro. Como já planejava há um tempinho, queria um Natal cheio de cogumelos, cerejinhas e elfos, na verdade, Elfofos.
Me apaixonei pelos Elfofos depois que vi no Pinterest e tive que fazer os meus
Além de achar que um Natal feito a mão é muito mais legal, acredito que os enfeites antigos e trazidos de lugares especiais também fazem toda diferença. Nossa árvore está repleta de lembranças especiais, inclusive da época de perambulação com a minha mãe no Centro de BH. Os enfeites já duram mais de 15 anos, o que não é normal com os enfeites que compramos hoje em dia.
Enfim, espero que vendo essas fofuras feitas com muito amor e empolgação, você também se anime com a proposta de um Natal feito a mão 

Biscoitinhos Quebra Quebra

por em Dona da Cozinha

Cada uma das receitas que separo para postar aqui tem uma história diferente. Muitas delas chegaram até mim através dos livros de receitas de família, vizinhas, amigos e pesquisas sobre ingredientes que vez ou outra estavam de bobeira no armário de casa. Como já disse, a parte mais  gostosa e que me lembro com muito carinho da minha infância foi passada xeretando a cozinha da casa da minha vó. Cheiros, sabores e muita inspiração…


Eu e a Dona das Coisinhas, além de dividirmos muitas coisas, também já fomos sócias. E como ainda  estamos em novembro mas as luzes e as vitrines nos lembram que o Natal já está chegando, o post de hoje fala de um Natal que rendeu fornadas de histórias divertidas e muitos biscoitinhos.



Nossa paixão por fazer biscoitinhos vem de longa data e essa poderia ser uma história sobre “A Fantástica Fábrica de Biscoitos”. Lá no inicinho dos anos 90, a o Papai Noel trouxe para a Zilah uns apetrechos lindos para fazer biscoitos. Só que ela era muito pequena para mexer com forno, então, incentivadas pelo Tio Luís, fizemos uma sociedade e começamos nossa produção de biscoitos. 

O tio patrocinava a compra dos ingredientes, eu preparava os biscoitos e cuidava do livro de caixa (sim, havia um), a Zilah ajudava na cozinha,  embalava os biscoitos e vendia na esquina de casa. Nossa aventura com os biscoitos não deve ter durado mais que uma semana, mas foi uma experiência muito divertida. A receita que fazíamos naquela época foi ensinada pela Dona Conceição, e testada pela Tia Lydia que adorava um docinho e gentilmente nos cedia a cozinha da casa para a produção das guloseimas. Era um biscoitinho quebra quebra de maisena super fácil de fazer.

Nossos biscoitos tinham formato de bichinhos, estrelinhas, florzinhas e fofurices do tipo. Depois de prontos, eles eram embalados em saquinhos de celofane transparente, amarrados com fitinha de coraçãozinho e iam para um cestinho todo enfeitado que a Zilah carregava, toda importante, rua afora. A clientela era fiel e o faturamento foi certo enquanto a fábrica durou.

Dia desses estava a procura de uma receita de biscoitos para fazer com meus filhos num dia chuvoso e eis o que encontro? A tal receita dos biscoitinhos quebra quebra. Que tal botar a mão na massa?


Biscoitinhos Quebra- Quebra

Ingredientes:


500 g de amido de milho

150 g de açúcar

1/2 col. (sopa) de fermento em pó

1/2 lata de leite condensado

2 ovos

125 g de manteiga 

1/2 col.(sopa) de essência de baunilha

Preparo:


Coloque o amido de milho, o fermento e o açúcar em uma tigela.  Bata os ovos, a baunilha, a manteiga e o leite condensado no liquidificador. Em seguida, misture  com o amido de milho e amasse até dar ponto para abrir. Se necessário acrescente um pouco mais de amido de milho para chegar à consistência certa. Abra a massa com um rolo e corte com os moldes. Leve para assar em forno pré aquecido a 150 graus em forma untada e enfarinhada. Preste atenção enquanto os  biscoitos assam, pois eles não devem dourar muito.

Espero que gostem! 


Beijo e até a próxima!


Bebel

Câmeras antigas e senta que lá vem história!

Antes de tudo: não sou fotógrafa porém, não nego as tradições da família. Adoro fotos, adoro câmeras e recentemente achei algumas antigas guardadas aqui em casa, estavam quase que abandonadas e com todo meu instinto de guardadora de coisinhas, resolvi cuidar delas. Peguei todas, limpei e abriguei com carinho nas prateleiras do quarto. 
O xodozinho

Além de terem todo um valor sentimental, essas câmeras dão um toque super especial à decoração do quarto, já que a maioria delas não tem mais condições de funcionar. Ainda preciso averiguar se a Polaroid e a Rolleiflex funcionam, elas estão muito bem conservadas! Quando tiver um tempo e dinheiro, vou pesquisar filmes para testar e ver se dá resultado.

A linda da Rolleiflex, ainda tenho alguns filtros e outros acessórios guardados na capinha de couro original
Rolleiflex na capa de couro, uma miniatura moderna, Pucky I

Prateada de fabricação nacional e anônima, Mithra (Suíça), Instamatic, Six-20 da Kodak

Apesar de considerar que não tiro fotos ruins, tenho plena consciência de que não herdei a vocação da família para a fotografia mas, posso ter herdado de alguma forma a sensibilidade que me faz querer transformar o mundo em um lugar de coisinhas e de amor. Mesmo assim me esforço e tento aprender mais a cada dia, nem que seja para tirar fotos rotineiras, fotos para o blog e fotos para guardar como lembrança. A coisa é: estou me apaixonando cada vez mais por esse universo que envolve uma parte linda e da qual tenho muito orgulho da minha história.

Como disse no início do post, a história da família tem muito de fotografia e as câmeras antigas que vocês viram são um testemunho disso.
Meu bisavô, Carlos Victor Gomes, foi o primeiro fotógrafo industrial de Minas Gerais, logo no início do século XX. Dele, meu avô Zinho herdou o dom e a técnica da fotografia, além de muitas câmeras. 
Na foto, minha bisavó Augustinha, dois de seus filhos e o bisavô Carlos 
O vô Zinho foi quem teve a primeira loja de fotografia de Nova Lima, o Studio Victor. Ele trabalhava em eventos, tirava fotos de famílias, fazia fotos para documentos, tudo o que precisassem. O trabalho dele já era mais parecido com o da maioria dos fotógrafos atuais, exceto por toda parafernalha analógica.
Poster do Foto feito pelo meu Tio Luís, um artista de primeira linha

O Foto (como a gente costumava chamar o estúdio) do meu avô foi fechado em 1988 e ele faleceu em 1992, dessas coisas ficaram as lembranças em fotos, objetos e por incrível que pareça, ainda guardo alguns flashes na memória.

A câmera de madeira, o Studio e a mini Dona das Coisinhas – 1988

Quando criança, eu adorava brincar na casa de uma tia, onde ela guardava uma câmera super antiga que foi do meu bisavô. Daquelas câmeras de madeira, grandonas, com tripé, capa preta, flash de pólvora e chapa de vidro. Sempre gostei de bisbilhotar as chapas de vidro que ficavam guardadas em gavetas na casa da minha vó, dava para ver muita foto antiga e confesso que tinha um pouquinho de medo quando imaginava que toda aquela gente já deveria estar morta.

Além de fotógrafo, meu avô era um exímio marceneiro. Artista mesmo e me fez essa cadeirinha que era um dos meus xodós de infância.
Com relação a todo esse acervo que guardávamos em casa, minha mãe e um primo (Celsinho) trataram de providenciar locais adequados para tudo através de incentivos da Lei Rouanet. No ano de 2008, eles organizaram uma exposição com os trabalhos do meu bisavô, que dentre tantos registros, fotografou a visita do rei Alberto da Bélgica e dos príncipes de Gales a Nova Lima.

É ou não é para ter orgulho da história da família? Não sei se um dia poderei honrá-los à altura com fotos e com uma história de dar orgulho então, enquanto isso vou cuidando bem do que tenho e dando o meu melhor para compartilhar o pouco que sei.

Quem quiser saber um pouquinho mais sobre a história dos Victor Gomes, pode conferir esse link aqui