Empreendedorismo Criativo

Como fazer: mala encantada da Toda Coisinha

No final do ano passado participei de algumas feiras com a Toda Coisinha e queria que meu stand tivesse algo diferente. Nas feiras aqui do Rio de Janeiro é comum os stands terem uma super estrutura, toda de madeira, com iluminação, piso e tudo mais. Só que para isso, os custos são altos se somados aos valores que cobram pela participação nas feiras daqui. Não dava para investir alto sem saber qual seria o retorno que eu teria.

Stand na Babilionia feira hypeComo eram minhas primeiras feiras em terras cariocas, optei por buscar soluções de baixo custo. Comprei tapete de grama sintética, montei minhas próprias luzinhas gambiarra para iluminar o stand e chamar a atenção, comprei expositores de metal que estavam em conta e uma mala antiga para usar como expositor dos acessórios. Isso, somado aos acessórios e balangandãs que levei daqui de casa, foi suficiente para deixar o stand com a cara da Toda Coisinha <3

IMG_7208

A mala fez o maior sucesso! E particularmente, ficou linda! É um dos meus xodozinhos e continuará me acompanhando por um bom tempo. E como sei que muita gente procura soluções para expor seus produtos de forma criativa, resolvi compartilhar por aqui como foi o processo de customizar a mala. Logo adianto que não tenho muitas fotos do processo, pois foi difícil fazer e ir fotografando, mas prometo explicar direitinho como foi que fiz e se tiver qualquer dúvida, pode perguntar!

Precisei de:

  • Mala para customizar
  • Tesoura afiada para cortar tecido e a espuma
  • Um pedaço de uns 80cm de um tecido de algodão fofo
  • 1,5m de cetim
  • Régua e fita métrica
  • Cola para tecido
  • Cola quente
  • Tubos de espuma tipo espaguetti (achei o branco no Saara)
  • Manta acrílica ou enchimento de almofada
  • Um suporte tipo suporte para toalhas (tem que ser na medida da mala e por sorte eu já tinha o que usei aqui)
  • Porcas para os parafusos do suporte

1 – O primeiro passo foi limpar a mala e deixar ela aberta por um tempo. Também passei um pano umedecido com vinagre pra tirar o cheio de guardado. Também arranquei um bolso que havia na parte interior da tampa para ficar bem lisinha, já que ali iria um forro de cetim. Ah! Comprei a mala pelo Mercado Livre!

primeira parte mala customizada2 – O primeiro tecido que a gente usa para dar o toque especial é o de algodão, na emenda das duas partes da mala (circulado em rosa). Meça o tamanho e corte o tecido com sobras de 2cm de cada lado. Você vai dobrar essas sobras para fazer a baínha  passando cola no avesso das sobras e dobrando para trás, para que não fique nenhum fiapo ou recorte torto aparente. Passe a unha ou uma régua por cima para o acabamento ficar mais bem feitinho e eu garanto que é mais fácil do que parece deixar tudo retinho.

cola na lateral

Cola na mala e tecido por cima

tecido dobradinho com cola

vê só a baínha que dei nele com cola

3 –  Depois você vai repetir o mesmo processo na parte interna da mala, nas laterais de cima e debaixo. Medi a altura das laterais tanto inferior, quanto superior e também o comprimento interno. Fiz os recortes no tecido com uns 8cm a mais para cima e uns 3cm para os lados, para dobrar as pontas e também para o acabamento ficar legal por baixo.

acabamento final

Acabamento no encontro dos tecidos nas laterais – baínha feita com cola

mala aberta forrada

Ali em cima onde ficam as alças de pano da mala, fiz um recorte no tecido e escondi por baixo delas.Pode cortar o tecido sem dó, depois é só fazer o acabamento bonitinho com cola mesmo.

tubo de espuma4 –  Forrei a mala com a manta acrílica para que os tubos de espuma não ficassem muito baixos. Cortei os tubos (que têm uns 2 m) com tesoura mesmo, nas medidas da mala. Precisei de 2 tubos para preencher essa mala que tem 80x45cm) e não tem problema se precisar emendar um no outro, é só passar cola quente, Nesse passo, tem um segredinho, que é quando colocar os tubos na mala, passar cola quente somente na parte debaixo. não pode passar em cima! E assim fui encaixando um por um.

tubos na mala

5 –  Agora lascou-se, pois chegou a parte em que não tenho fotos. Mas é simples, vamos lá. Para forrar a parte com a espuma com o cetim, você usará a medida da mala acrescentando 30cm na largura e o dobro da medida para o comprimento, que vai encaixar entre os tubos de espuma.

Colei o cetim com cola quente (a cola branca mancha ele muito) na parte debaixo e com a ajuda de uma régua fui encaixando entre os tubos de espuma. Para esse encaixe não precisa de cola. Depois, com a régua mesmo, vá encaixando o cetim nas laterais (as que ficaram sem cola, lembra?). Se sobrar algum tecido na altura, é só enrolar e acomodar atrás do último tubo.

todacoisinha1

Os tubos forrados com cetim já com as coisinhas em cima. Foto: Magê Monteiro

A parte da tampa da mala forrei também com cetim, mas fiz uma dupla camada, como se fosse uma capa de almofada sem enchimento. Isso para que as marcas da cola não aparecessem. Desenhei 2 vezes a forma da tampa no cetim nas medidas certas, deixando 2cm de sobra nas laterais na hora de cortar. Passei a cola nessas sobras do lado brilhante (lado brilhante com lado brilhante) e deixei um buraquinho de 10 cm para poder virar o tecido depois de secar a cola.

A cola secou, virei o tecido sem problemas e finalizei fechando o buraquinho com mais cola. Depois colei essa capa de cetim na parte da tampa. Para finalizar, usei mini grelôs (esses pompons em tira) para esconder o acabamento. Sim, foi por isso mesmo que usei e colei eles também.

O suporte tipo para toalhas que serviu para pendurar os colares foi encaixado furando a tampa que é de couro e papelão, então foi tranquilo. Do lado de fora prendi os parafusos com um tipo de porca plástica para parafuso.

IMG_7268

Xodozinho de mala, na loja da Isabela Konstantin, em Nova Lima

E não é que depois a mala ainda ganhou uma cria!? A outra malinha fiz com uma caixa de vinho antiga e uma graminha sintética. Ela ficou na loja da Isabela Konstantin – na Rua Chalmers, 9, Centro, Nova Lima/MG – e sempre estará por lá cheinha de coisinhas.

IMG_7504 IMG_7494

 

Para os criativos de BH – MasterClass com Charles Watson no CoolHow

No filme Amélie Poulain, a personagem Eva disse a famosa frase “os tempos são difíceis para os sonhadores” e essa ela pegou. Vejo a frase sendo replicada aos quatro ventos, repetida vigorosamente. Realmente, as coisas não estão fáceis para ninguém, mas fato é que eu nunca vi tantos exemplos para inspirar, tanto conteúdo bacana e tanta ajuda disponível para quem tem sonhos e ideias e quer colocá-los em prática. Pessoas sonhadoras são aquelas que não perderam a essência da criança interior, que acreditam sem barreiras e mesmo com medo, vão em frente e usam da criatividade para concretizar aquilo que almejam (gosto dessa palavra, pois no meu dicionário ela soa como querer com a alma).

amelieE quando falo de criatividade e de realização de sonhos, claro que isso vem aliado a esforço diário, paixão, persistência, coragem e trabalho, muito trabalho. “No mundo real, não é a inspiração que produz o trabalho, é o trabalho o que produz inspiração” e sempre bati muito nessa tecla de que criatividade, trabalho e inspiração estão todos ligadinhos em um ciclo que se auto alimenta.

Mais legal que acreditar nisso, é encontrar pessoas e empresas que acreditam junto da gente. Dia desses conheci o CoolHow BH por meio de uma cliente da minha loja e de cara já adorei o nome, que remete ao primeiro nome de Belo Horizonte, Curral Del Rey e que agora tá mais para um curral de ideias.

O CoolHow é um laboratório de conhecimento para pessoas e negócios, que trabalha com produção de conteúdo e educação, ou seja, um lugar para pessoas que querem aprender as melhores formas de colocar as ideias em prática. Um lugar daqueles quando você escuta falar, já quer logo conhecer mais.

Além de oferecer cursos direcionados, por lá acontecem também Workshops incríveis (desses que eu sempre tenho vontade de fazer). Na programação de março está a Creativity Masterclass, com Charles Watson. Charles é educador e palestrante, especializado no Processo Criativo, Problem Solving e Desempenho Otimizado. Formado em Arte e Literatura pela Bath Academy/Bath University na Inglaterra, leciona na Escola de Artes Visuais do Parque Lage desde 1982. Suas pesquisas sobre criatividade abrangem diversas áreas e não se limitam. Literatura, negócios, ciências, música, arte e por aí vai.

Investigando fatores culturais, históricos, psicológicos e neurocientíficos, o workshop mostra como novas tecnologias de pesquisa nestas áreas estão esclarecendo os mecanismos envolvidos em processos de inovação e pensamento criativo, traçando um relação clara entre altos níveis de motivação (e como alcançá-los)  e o desempenho criativo otimizado. Tudo isso bem estruturado com muitas imagens, vídeos e entrevistas.

Aaaahhh, e quando isso acontece? Nos dias 11, 12 e 13 de março, no CoolHow, em Belo Horizonte.

CW_CreMas01_FB_BH_Post_15FEV16Para valores, informações específicas e inscrições, acesse o site do CoolHow.

E não esqueça de usar o código #DASCOISINHAS para ter 10% de desconto no valor do curso <3

*Esse é um post patrocinado e sim, troquei por créditos nas oficinas do CoolHow, pois investir em conhecimento transformador é a melhor escolha que a gente faz.

Conheça Bruna Vettori e o Rotina & Rabisco

Quando conheci o trabalho da Bruna, do Rotina & Rabisco, logo de cara me encantei pela simplicidade dos traços, pela delicadeza das mensagens e confesso que fiquei curiosa para saber quem estava por trás daquele projeto que tanto fez meus olhos brilharem com pitadinhas de amor, de serenidade e de coisinhas lindas.
Comecei acompanhando o Instagram do Rotina, onde mensagens para uma rotina mais leve e para um mundo mais gentil e cheio de amor são compartilhadas. Sempre comentava nas fotos, até que um dia comentei que ficaria linda uma ilustração transformada em produto da Toda Coisinha. E daí em diante eu e a Bruna Vettori (a-há! Descobri quem fazia aquelas coisas lindas) começamos a trocar emails, ideias e foi muita água que rolou desde então. Água boa, daquelas que fortalecem e trazem vida, pois foi isso que fizemos juntas: demos vida a ilustrações do Rotina & Rabisco <3
colares rotina e toda coisinha
Lançamos em dezembro do ano passado uma coleção pra lá de encantadora na Toda Coisinha, onde a Bruna ilustrou e eu executei as ideias.
Além de tudo, conhecer um pouco melhor quem faz esse tipo de projeto é sempre inspirador, não é? Então chamei a Bru para contar um pouquinho mais sobre como o Rotina & Rabisco surgiu e se tornou essa coisa toda que é hoje. E claro, não poderia deixar de perguntar sobre os planos para o futuro! Esses são os que mais trazem empolgação!
BRUNA - ROTINAERABISCO (10)

A lindeza por trás do projeto

Zizi: Conte um pouquinho sobre você, quantos anos tem, onde mora, formação e o que faz atualmente.
Bruna: Oi gente! Meu nome é Bruna, tenho 24 anos e sou catarinense!
Atualmente moro em Florianópolis, mas sempre que rola uma oportunidade, eu tô na estrada :)
Sou economista por formação, mas foi na ilustração e na escrita que descobri o meu melhor.
O Rotina & Rabisco acontece na minha vida há pouco mais de um ano e meio e ainda estou descobrindo tudo que a gente pode fazer juntos. É um processo maravilhoso perceber o mundo ao meu redor e transformar as ideias em rabiscos.
 
Zizi: Como e quando a ilustração te pegou de jeito?
Bruna: A ilustração sempre existiu num cantinho da minha vida. Dei espaço e abri o peito pra ela existir de fato na metade de 2014, e foi quando o Rotina surgiu. Eu havia concluído minha faculdade e estava aberta para as coisas novas acontecerem. Aos pouquinhos, fui desenhando e me encontrando naqueles pequenos rabiscos que surgiam nos caderninhos.
se encontrar-livro Tudo-que-voce-precisa
 
Zizi: Como surgiu a ideia do Rotina & Rabisco? E qual é a sua proposta com o projeto?
Bruna: O Rotina nunca quis ser um projeto. Ele era minha forma de me expressar, de ver o mundo. Ele aconteceu e é lindo ver como foi espontâneo e ainda é um processo enorme de descobertas e aprendizados pra mim.
Nossa missão é espalhar gentilezas e inspirar as pessoas a terem uma vida mais leve e feliz.
Zizi: Conta pra gente como foi o processo de escrever (na verdade ilustrar) e lançar um livro?
Bruna: O Livro aconteceu logo após uma viagem linda que fizemos… 
Lembro de ter mentalizado essa vontade de publicar um livro, e então a Giu (editora da AgirNow) apareceu na minha vida e me ajudou a tornar esse sonho mais real. 
Escrevi o roteiro do livro e passei pra fase de ilustração, foram muitas muitas muitas noites na função até ver tudo prontinho! E no final, valeu a pena casa segundo.
Bienal RJ 2015 (63) IMG_1580
Zizi: Você tem outros projetos em mente e/ou na gaveta?
Bruna: Sim, sempre! Vivo inventando ideias :P 
Temos novas ideias de coleções em parceria, ações criativas, um blog novinho e muito mais :)
O Rotina está avançando para novos formatos, este ano será todo reservado para pintura e grafitti, quero levar nossas poesias pras ruas!
Quais são suas principais inspirações?
Gosto muito de tirar mensagens e lições da vida real, onde tudo acontece de verdade. Se algo deu ruim, a gente tenta encontrar um lado bom. Se algo foi bom, a gente valoriza e celebra o momento :)
Ela mesma2 - 20x20
 
Onde e como você se vê daqui 20 anos? 
Nossa! 20 anos é muito tempo! Quero ter estudado muita coisa, viajado o mundo inteiro, ter filhos, um ateliê inspirador, pintar muuuuuuuito, ter amigos e família sempre por perto, muito amor, paz e equilíbrio na vida.
Ufa, acho que está bom né?

Perdendo o medo de desenhar – Oficina de Ilustração Amanda Mol

Sempre fui daquelas pessoas que não sabia desenhar nada além de bonequinhos de palito e coisas tortas, com um traço seco e sem graça. Sempre disse às pessoas que não sabia desenhar, sequer colorir e exatamente por acreditar nisso, nunca havia tentado desenhar com afinco. Só que de um mês para cá eu digo o contrário: eu sei desenhar, do meu jeito e só sei porque tentei. Antes me contentava em admirar o desenho de outras pessoas e sonhar que em uma próxima encarnação eu nascesse com o dom natural de desenhar e posso provar isso que tô dizendo, pois não me esqueço de ter mencionado essa ideia errada nesse post de três anos atrás.

Não foi um sopetão mágico que me fez acreditar nisso. Foram as palavras doces, o talento e a generosidade da Amanda Mol, pessoa querida que admiro desde a primeira vista e que tem mãos de fada quando o assunto é desenho. Quem é leitor do blog com certeza já conhece o trabalho da Amanda, pois somos parceiras e não me canso de falar dela e de suas criações. Ela fez o layout do blog, da minha loja, meu convite de casamento e mais um monte de coisas por aqui.

A mais recente empreitada da Amanda é sua Oficina de Ilustração, completamente online e para quem quiser! Não tem nenhuma restrição e é um curso livre, onde a Amanda te guia a encontrar seu jeitinho nesse mundo incrível dos desenhos. Desde a campanha de lançamento eu já estava que não me aguentava de curiosidade e vontade de saber como seria o curso e quando o curso foi lançado também não poderia deixar de estar entre os alunos, pois toda a proposta da Amanda é muito bem alinhada e ela me convenceu de que eu poderia sim perder o medo de desenhar <3

referencias zizi

Minhas referências para começar e trabalhos inspiradores que amo: Amanda Mol, Lara Dias, Ju Amora, …com Lola, arte popular mexicana, fotografia e claro, cogumelos!

Venho fazendo o curso no meu ritmo e confesso que ele não é muito acelerado, mas os resultados já posso ver e estou super animada. É bom demais descobrir prazer e alegria em algo que você não se imaginava capaz de fazer. O que percebo agora é que esse é um caminho sem volta e que promete ficar cada vez mais bonito! Quanto mais você caminha, mas você quer conhecer o caminho e explorar novos rumos.

Sobre o conteúdo

A princípio pensei que o conteúdo fosse muito básico ou mamão com açúcar, pois as primeiras aulas realmente nos induzem a começar devagar, a brincar e explorar. Mas não, o conteúdo é pontual, na medida certa do que uma pessoa que quer se aventurar no mundo dos desenhos precisa, além da vontade de aprender e a coragem de experimentar. E a Amanda mostra isso pra gente de uma maneira tão incrível que é impossível escrever esse post sendo objetiva (não dá pra ser assim quando o coração explode de amor e de gratidão).

mesa

os primeiros desenhos já me surpreenderam

O material para iniciar o curso eu já tinha por aqui. Recorri ao estojo da Mari (minha filha que também é toda cheia de talento) que estava cheio de lápis aquareláveis e nem ela sabia. Já tinha aqui uma aquarela líquida que comprei há mais de um ano atrás (eu fui só ensaiando essa vontade) e alguns pincéis que não são os certos, mas que quebraram o galho perfeitamente para esse início. Ah! E eu sempre tenho muito papel! hahaha

E aí foi tirar um tempinho para fazer a oficina. Eu sugiro cuidado nessa hora, principalmente para quem tem uma agenda apertada. A gente perde totalmente a noção do tempo! E eu estou amando me aventurar assim, livremente e sem compromisso.

sagrado traço sagrado ilustra cogumelos A próxima etapa da Oficina de Ilustração me desafia muito. É fazer desenho de observação. Já estou treinando e prometo continuar compartilhando os resultados por aqui e no Instagram.

ofina amanda mol

Meus desenhos preferidos <3

Olha, se você sentiu vontade de se aventurar também, não deixe pra depois! Aproveite que no mês de janeiro a Oficina de Ilustração está com super desconto e se jogue nessa também! Vale cada centavo e a sensação ainda é de estar ganhando um presente, pois não é comum ver pessoas tão talentosas como a Amanda compartilhando o que sabem sem segredos. Clica aqui e conta pra Amanda que se empolgou depois de ler esse post!

Ficarei feliz em saber que compartilhar minhas experiências te ajudou a também perder o medo.

desenhar