Tá tudo jóia.

Há algum tempo contei por aqui sobre os novos desafios de aprendizado que escolhi no ano passado e desde então, venho praticando e aperfeiçoando para que o dia de hoje finalmente chegasse.

Hoje é o dia em que coloquei minhas primeiras jóias à venda, antes disso vinha aceitando encomendas, mas lançar as peças na Toda Coisinha requer todo um cuidado, um alinhamento ao trabalho e ao momento pelo qual passo. Acho que talvez por isso eu tenha demorado tanto, já que tinha planos que isso acontecesse ainda no ano passado. Teve também toda uma questão de aceitação, uma aceitação bem estranha que é na verdade aceitar que eu sei fazer jóias. Aceitar que você é bom em algo é às vezes, contraditoriamente, a parte mais difícil.

IMG_3322Hoje me sinto mais segura e sei que as coisas só vão realmente se transformar de verdade quando eu conseguir colocar mais desse projeto no mundo e por inteiro, mas esse é o primeiro passo de muitos que virão.

São apenas 3 peças, mas que têm um significado e uma importância enormes.

Vi o ano começando, férias repentinas surgindo (leia mais aqui) e minha vida profissional fora de ordem. Prazos a cumprir, planos para colocar em prática e o coração pedindo para desacelerar e olhar para dentro. Sempre gostei de contar como me viro bem cuidando da casa e do meu trabalho, mas nos últimos meses esse sentimento foi diferente e eu já contei isso por aqui também.
IMG_1076
O ano de 2016 foi de algumas escolhas muito importantes e as consequências começo a sentir agora. Sempre que a gente se depara com uma nova escolha, é inevitável também se deparar com novas mudanças. E essas mudanças estão chegando com tudo: vejo muitas portas se abrindo no meu caminho, mas sabe aquela hora em que fica difícil escolher onde entrar? Minha primeira reação foi tentar organizar tudo por dentro e por fora e dar espaço para a vida fluir.
Certa vez li que os antigos romanos acreditavam que usar uma anel forjado em ferro no quarto dedo da mão esquerda estava ligado ao fato de haver ali uma veia que vinha direto do coração, a Vena Amoris, como eles chamavam. Além disso, esse anel significava a força e a permanência. Tempos depois, cientistas descobriram que essa veia não existe, mas para os românticos assim como eu, é uma explicação bonita sobre coisas que usamos nas mãos e sobre como usamos nossas mãos. Se tem uma parte do meu corpo que eu amo e venero são as mãos e olha que por muito tempo eu não gostei delas. Meus dedos são finos e compridos e a mão magra que só. A vida inteira recebi críticas pelo fato de minha mão não se encaixar num padrão de beleza de mãos que até hoje eu não entendi qual é. Chamavam de mão de E.T., mão cadavérica, enfim, qualquer coisa que pudesse ser considerada feia, exceto por raras pessoas que achavam na verdade que eram mãos de pianista. A que ponto chegamos?
Mais tarde, quando lá pelo ano de 2011 retomei os trabalhos manuais que hoje são a essência da minha vida junto do amor que consegue escorregar pelas pontas dos dedos, vi que minhas mãos eram mais que perfeitas. O dedo fino é agil e trabalha como uma pinça, a mão magrinha consegue atravessar bocas de potes de vidro e trabalha muito bem com terrários e em 2011 também foram essas mãos que ganharam um anel que significava muito uma mudança muito importante.
IMG_3352
Para os antigos egípicios, os anéis usados como símbolo de compromisso e fidelidade entre um homem e uma mulher tinham o poder sobrenatural de tornar o amor eterno. Certamente há muitas explicações históricas para o uso da aliança e a gente sempre escolhe a que se apegar. Eu e o Tiago, meu marido, trocamos nossas primeiras alianças em 2011. Já tivemos aliança de alga do mar, de coquinho, de pedra, de ouro e hoje usamos uma de prata que foi feita por mim, as primeiras que fiz. É claro que elas têm um significado mais que especial, pois simbolizam pra mim a mudança, as escolhas e a simplicidade que a gente busca no amor. Amor esse que nasceu no Carnaval de 2008 e hoje segue firme e forte.
E dessas escolhas importantes que fiz, uma que tem trazido muitos resultados foi ingressar em um curso de ourivesaria. Trabalhar com as mãos mexe comigo por dentro e por fora e é com muita alegria e depois de muita história que hoje lanço as primeiras jóias da Toda Coisinha.
São alianças simples, mas é aí mesmo na simplicidade que mora a maior beleza do amor. Elos que com a forma infinita do círculo lembram a força e a permanência do amor, a união, o respeito mútuo e o carinho, o que também se resume a ser fiel às crenças e às coisinhas em comum quando se é parte de um casal. Para renovar votos, fazer novos pedidos e celebrar o amor de todas as formas <3
Sobre o que vem pela frente, bem, só tenho uma ideia. Mas tem uma parte minha que se apega muito aos pequenos mundos e tenho muitos planos para eles!

Deixe seu comentário

comentários via Facebook

8 comentários

  1. Lili Fujiy

    Zilah, fiquei muito feliz em saber dessa novidade e desse seu trabalho tão lindo com jóias. Virei mais fã ainda. Parabéns e toda sorte do mundo para você nessa nova etapa da sua vida. Bjos.

    Responder
    1. Zilah

      Ah, que linda! Obrigada pelo carinho <3 Se um dia a gente puder trabalhar juntas será uma alegria sem tamanho! Sou fã também!

      Responder
      1. Lili Fujiy

        Nossa, Zilah, eu iria amar… mas muito mesmo! Pensaremos em algo!

        Responder
        1. Zilah

          Oba!!! <3

          Responder
    1. Zilah

      Obrigada, Janine!

      Responder
  2. Rose Porcel

    Zizi, tenho feito uma faxina nas coisas que recebo, mas a sua news tá aqui firme. Suas alianças são lindas, simples, mas cheias de amor. Dá para sentir. Sucesso nessa nova fase e que venham muitas coisas lindas ainda.

    Responder
    1. Zilah

      Que bom ler isso, Rose! Fico feliz demais! Obrigada por acompanhar meu trabalho com tanto carinho <3

      Responder